Pages

Thursday, November 13, 2014

Importância da Carpintaria na Construção de Edifícios Verticais de Concreto

Os carpinteiros em obras verticais de construção civil tem uma importância fundamental, destacam-se:

  • Na qualidade da obra. A exigência das armações estarem fixadas de maneira precisa, um erro de milímetros pode causar problemas estruturais e de acabamento sérios.
  • Os riscos que estão submetidos. Quando os carpinteiros chegam no local as proteções coletivas não estão feitas, normalmente são eles que as colocam.Eles estão sujeitos a riscos de queda em altura, corte, esmagamento, impactos,  insolação, perfurações e etc.
  • Devem saber ler desenho técnico. Para fazer uma estrutura de madeira, deve receber um desenho para fazer igual. 
  • Muitas vezes tem que ter conhecimento de estrutura, que não é sua responsabilidade, porque todos as estruturas devem ter projeto, mas um fechamento de abertura, uma escada de madeira, a escolha da madeira é deixada para que ele faça, sem ter o treinamento nem a qualificação para tal.
  • Tem que conhecer de madeira, muitas vezes não tem esse conhecimento nem treinamento, mas esse conhecimento é fundamental, porque madeira varia muito a resistência.Uma sucupira tem o triplo da resistência de um cedro, uma maçaranduba tem quase o dobro de um angelim, o pior é quando usa madeira mista, muitas vezes com nó e casca. O módulo de elasticidade varia muito como também a densidade desses produtos.Todas essas propriedades variam com a umidade na madeira.
  • Verificação da estrutura. Ver se a estrutura ficou bem fixada, uma vez que a maioria é fixada com pregos, com madeira nem sempre especificada.
  • Ausência de treinamento e capacitação, destes profissionais.
  • São responsáveis em preparar o local com proteções coletivas para que armadores, pedreiros e outros profissionais.
  • e etc.

Thursday, November 6, 2014

FLAGRANTE - Serviços na Rua com grande risco

Esses serviços de guincho precisam cumprir as normas ( trabalhador pendurado sem proteção, com carros passando em baixo em 06.11.2014)

Saturday, October 4, 2014

LEIS DE FUNCIONAMENTO DE MÁQUINAS


Conforme as normas brasileiras as condições mínimas obrigatórias para ser atendidas antes de uma máquina funcionar:

Manual da Máquina : conforme a norma NR12. Não basta ter o nome de manual, nele deve constar as indicações mínimas de bom funcionamento do equipamento, os riscos que o operador do máquina pode correr e os cuidados para que a máquina não quebre. Muitos manuais não atendem a esses requisitos.

Treinamento: Deve atender também a NR12. O treinamento deve ser realizado por habilitado, capacitado, que pode ser alguém treinado pelo fabricante ou um Engenheiro Mecânico com ART. Além disso treinamento deve obedecer também a NR12 e atender as recomendações do Manual.

Manutenção: Também deve atender a NR12. O mecânico deve ser também capacitado e habilitado pela fabrica ou por engenheiro mecânico e atender as recomendações do Manual


O descumprimento desses itens acima pode motivar risco de acidente, é muito mais difícil um acidente acontecer em uma máquina quando esses 3 itens forem rigorosamente atendidos.
Quase todos os acidentes há erros em um desses 3 itens. Quando a empresa descumpre ASSUME o risco




Wednesday, September 10, 2014

As origens do acidente e do incidente em segurança no trabalho.

A maneira como inicia um trabalho é onde pode começa o acidente. Antes do inicio dos trabalhos de risco é preciso a engenharia de segurança fazer alguns questionamentos, desde o projeto até a operação e término do trabalho, como;
  • Foi feita análise de risco com todos envolvido participando?
  • Existe redundância suficiente neste projeto (a redundância é função do dano que pode causar)?;
  • Existem dispositivos suficiente para evitar o acidente (avise e pare antes do acidente)?
  • Existe parâmetros mínimos para a operação ocorrer em total segurança (limites que impeçam o trabalho)?
  • O treinamento com os envolvidos foi realizado conforme orientação ( de acordo com todos os envolvidos)? 
  • e etc.
É preciso antes de começar um trabalho que envolve riscos, responder alguns questionamentos como os que estão acima.

Um exemplo: A Fórmula 1, são 20 anos sem acidente fatal com piloto. Um esporte de alto risco que com mudanças adotadas tornou-se segura. Foram mais de 20 mudanças, entre elas a célula de sobrevivência, o HANS (suporte para cabeça), uso de materiais resistentes como o Kevlar, multas a direção perigosa, ampliação de área de escape na pista, locais de muito perigo foram substituídos e etc.

Começou os trabalhos pode ser tarde demais.

Tuesday, September 9, 2014

Respondendo a uma pergunta

Quando fazer check list de equipamentos?
Check list - quando é obrigado fazer (respondendo a uma dúvida de um técnico de segurança)

Um carro você tem o manual que indica quando trocar óleo, filtros, revisões etc. O fabricante não indica check list, portanto não precisa de check list antes de dirigir.
Em aeronaves a legislação e o fabricante obriga que o piloto faça o check list antes de iniciar o voo.
Então Quando fazer? Quem deve fazer? Quem deve elaborar?

resposta: 
Quando fazer check list? quando o manual obrigar ( no manual deve constar os riscos); quando existir uma norma específica ( não é obrigatória para todos os equipamentos).
Quem deve fazer check list? pessoa treinado pelo técnico da fabrica, ou engenheiro capacitado ( engenheiro mecânico, aeronaútico, naval e etc.)
Quem deve elaborar o Check list? O manual deve constar, a norma ou engenheiro capacitado.

normas gerais sobre o assunto:
12.128 Os manuais das máquinas e equipamentos fabricados ou importados a partir da vigência desta Norma devem conter, no mínimo, as seguintes informações:
m) procedimentos para utilização da máquina ou equipamento com segurança;
n) procedimentos e periodicidade para inspeções e manutenção;
12.130 Devem ser elaborados procedimentos de trabalho e segurança específicos, padronizados, com descrição detalhada de cada tarefa, passo a passo, a partir da análise de risco.
12.131 Ao inicio de cada turno de trabalho ou após nova preparação da máquina ou equipamento, o operador deve efetuar inspeção rotineira das condições de operacionalidade e segurança e, se constatadas anormalidades que afetem a segurança, as atividades devem ser interrompidas, com a comunicação ao superior hierárquico.
12.132 Os serviços em máquinas e equipamentos que envolvam risco de acidentes de trabalho devem ser planejados e realizados em conformidade com os procedimentos de trabalho e segurança, sob supervisão e anuência expressa de profissional habilitado ou qualificado, desde que autorizados.
12.132.1 Os serviços em máquinas e equipamentos que envolvam risco de acidentes de trabalho devem ser precedidos de ordens de serviço - OS - específicas, contendo, no mínimo:
a) a descrição do serviço; 
b) a data e o local de realização;
c) o nome e a função dos trabalhadores; e
d) os responsáveis pelo serviço e pela emissão da OS, de acordo com os procedimentos de trabalho e segurança. 
Meu entendimento:
O check list deve ser elaborado pelo fabricante constando no manual do equipamento, o engenheiro mecânico pode acrescentar justificado por uma Análise de Risco.
Em casos de ausência de manual o engenheiro mecânico deve elaborar.
O check list deve ser realizado por profissional treinado por capacitado, técnico da fabrica, ou engenheiro mecânico.

Perguntas e dúvidas gratuitas pelo email:
celsoengenheiromecanico@hotmail.com



Tuesday, September 2, 2014

NR12 - Normas que não são obedecidas na Construção Civil

12.4 São consideradas medidas de proteção, a ser adotadas nessa ordem de prioridade:
        a) medidas de proteção coletiva;
        b) medidas administrativas ou de organização do trabalho; e
        c) medidas de proteção individual.
12.5 A concepção de máquinas deve atender ao princípio da falha segura.
12.49 As proteções devem ser projetadas e construídas de modo a atender aos seguintes requisitos de segurança:
        g) impedir que possam ser burladas;
         i) impedir o acesso à zona de perigo;
12.55.1 Quando a máquina não possuir a documentação técnica exigida, o seu proprietário deve constituí-la, sob a responsabilidade de profissional legalmente habilitado e com respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura - ART/CREA.
12.111 As máquinas e equipamentos devem ser submetidos à manutenção preventiva e corretiva, na forma e periodicidade determinada pelo fabricante, conforme as normas técnicas oficiais nacionais vigentes e, na falta destas, as normas técnicas internacionais.
12.129 No caso de máquinas e equipamentos fabricados ou importados antes da vigência desta Norma, os manuais devem conter, no mínimo, as informações previstas nas alíneas “b”, “e”, “f”, “g”, “i”, “j”, “k", “l”, “m”, “n” e “o” do item 12.128.
        b- tipo, modelo, capacidade;
        g- definição da utilização prevista para a máquina ou equipamento;
        k- riscos...supressão das proteções...
        l- riscos...utilização diferente...
       m- procedimentos para utilização...
       n- procedimentos... inspeções e manutenção.
       o- procedimentos... emergência.
12.133 O projeto deve levar em conta a segurança intrínseca da máquina ou equipamento durante as fases de 
construção, transporte, montagem, instalação, ajuste, operação, limpeza, manutenção, inspeção, desativação, desmonte e 
sucateamento por meio das referências técnicas indicadas nesta Norma, a serem observadas para garantir a saúde e a 
integridade física dos trabalhadores.
12.136 Os trabalhadores envolvidos na operação, manutenção, inspeção e demais intervenções em máquinas e 
equipamentos devem receber capacitação providenciada pelo empregador e compatível com suas funções, que aborde 
os riscos a que estão expostos e as medidas de proteção existentes e necessárias, nos termos desta Norma, para a 
prevenção de acidentes e doenças.
12.138 A capacitação deve:
e) ser ministrada por trabalhadores ou profissionais qualificados para este fim, com supervisão de profissional legalmente habilitado que se responsabilizará pela adequação do conteúdo, forma, carga horária, qualificação dos instrutores e avaliação dos capacitados. 

Thursday, August 28, 2014

Normas recentes & prazos de expiração


Trabalho em altura
  • Acesso por corda e operação assistida:                                                 28.04.2014 
      • e   para os itens 2.1 e 3.2 data limite é                               29.10.2014
Máquinas
  • Proteção fíxa NR 12.41 , só pode ser removida com ferramentas. em    09.12.2013.
Andaime
  • Andaime tipo treck treck  NR 18.15.41.2   não pode usar depois de     21.01.2015.
  • Andaime identificação gravadas em todas as peças NR. 18.15.2.3        21.01.2016.
Guincho elevação de carga e passageiro
  • Cancelas com ruptura positiva                                                               10.05.2015
  • Elevadores de passageiro com um cabo instalado até                             09.05.2014
    • depois desta data atender a ABNT NBR 16.200:2013,
  • Impeça o movimento quando ultrapassar a carga 18.14.22.4.e               09.05.2015



Tuesday, August 26, 2014

INSPEÇÕES recomendadas EM OBRA.

Em uma obra existem inúmeros elementos com o potencial de acidentar o trabalhador.
Inspeções são ferramentas indispensáveis para a segurança no trabalho, pois permite corrigir erros e evitar acidentes.
A inspeção deve ser realizada por pessoa treinada, através de check list, inspeção visual, ART  e etc.
É importante lembrar que todo elemento também deve ter um instrumento de LIBERAÇÃO.
.
  1. Inspeções em Máquinas;
    • guincho; betoneira; peneiras; minigrua; foguete; andaime suspenso; serra circular; policorte; maquina de solda; esmeril; máquinas portáteis ( serra mármore, serra circular, furadeira, vibradores, perfuratriz, pistolas de fixação, esmerilhadeira, lixadeira); máquinas móveis (retroescavadeira, bobcat, maq. elevação de carga, trator e etc.)
  2. Inspeções em Instalações;
    • bandeja primaria e secundaria; proteção de áreas ( entre lajes, com fixação em formas, escadas, varandas, aberturas em lajes, poço de elevador, escavações, periferia de máquinas) ; linha de vida; fechamento de abertura; andaime fachadeiro; andaime fixo; bancadas de trabalho; corda de segurança; pontos de ancoragem; escoramentos e estroncas; aterramento de máquinas e estruturas.
  3. Inspeções em Trabalhadores;
    • EPI ( manutenção/ especificação) capacete e capacete c/jugular; cinto com e sem amortecedor; talabarte duplo e simples, trava queda, luvas, mascaras, oculos,, avental, protetor auricular, bota.
    • Condutas de risco : concretagem; elevação de cargas; trabalho em altura; espaço confinado; escavação; trabalho sem treinamento; interdição de área, isolamento de área; medidas administrativas, condições impeditivas de trabalho ( vento, chuva etc), desforma.
    • Ergonômicos  : excesso de peso; bancadas de trabalho; atividades rotineiras; trabalho em pé e sentado; trabalho a céu aberto; LER / DORT ; exercícios laborais; doenças ocupacionais
  4. Inspeções em documentação;
    • fichas de controle de EPI; manuais de máquinas, Treinamentos de trabalhadores; ASO; cipa; ART; A.R. de trabalho em altura; ART de liberação de máquinas; manutenção preventiva; livro de inspeção de máquinas; ART e projetos de de EPC, 

Thursday, August 21, 2014

ERROS de segurança mais COMUNS EM CONSTRUÇÃO CIVIL

Erros que acontecem com frequência na construção civil no Brasil (é lógico tem exceções).

Erros em Máquinas e Equipamento:

  • Manutenção atrasada - Colocar um equipamento ou máquina para funcionar sem verificar se a manutenção do equipamento esta em dia;
  • Operação com defeito - É comum a operação de máquina ou equipamento operar com defeito.
  • Operador não lê o Manual -Os manuais dos equipamento nunca são entregue ao operador do equipamento, isso quando tem o manual, o operador não lê o manual;
  • Treinamento sem atualização - Os equipamentos e máquinas são operado por trabalhador sem atualização do treinamento ou mesmo sem treinamento;
  • Máquinas sem proteção ao redor - Proteções de periferia não é feita, principalmente em máquinas manuais.
  • Manutenção feita pelo operador - Operador fazendo serviço de manutenção corretiva;
  • Mau uso do equipamento - Máquina sendo usado para um serviço que não estar indicado no manual e no treinamento;
  • Máquina mal projetada - Difícil de detectar, mas ocorre com muita frequência. Dispositivos de proteção da máquina são falhos, não têm redundância ou mesmo falta.


Erros em Equipamentos de Proteções Coletivas e Individuais:
  • Áreas sem proteção liberadas - Liberação de áreas sem inspeção do departamento de segurança, verificar se todas as proteções estão corretas;
  • Falta de inspeções nas proteções - Não realizar inspeções periódicas nas proteções coletivas e individuais;
  • Proteções feita sem projeto e sem orientação- A falta de padronização das proteções coletivas e das atividades causa muitos problemas, aumenta risco de acidente, aumenta o tempo de execução das atividades, aumenta o custo da proteção.
  • Projeto não é obedecido;
  • EPI ineficaz - A falta de controle dos EPI (equipamento de proteção individual), como também uso de equipamento sem estar normatizado.



    Erros nas Ações de Segurança dentro da obra:
    • Falta de controle dos riscos- Há pouco monitoramento, inspeção, acompanhamento das atividades de risco.  
    • Iniciar trabalho de risco sem comunicação - Não avisar com antecedência ao departamento de segurança as atividades que serão executadas, o técnico de segurança é surpreendido com o trabalho já iniciado sem sua aprovação;
    • Segurança não faz parte do projeto - Os projetos não são submetidos ao departamento de segurança para sua aprovação;
    • Equipe não valoriza a segurança - Não há comprometimento dos trabalhadores da obra com segurança;
    • A falta de atuação da CIPA;
    • Quantidade de trabalhadores muito grande para poucos técnicos de segurança.- Essa relação poderia ser adequada se a equipe fosse mais consciente.
    • Poucas Análise de Risco na obra - Exemplo: trabalho em altura poucas vezes é feito a Análise de Risco, elevação de carga para a laje a ser concretada, queda de objeto na desforma..
    • Falta de descrição da atividade - Muitos trabalhos são executados sem a descrição da atividade como deve ser executada com também o treinamento do trabalhador;
    • Falta de comprometimento - Empresa não vê segurança como uma obrigação de todos.
    • PCMAT, PPRA e PCMSO não eficaz - Documentos mal elaborados, sem atualizações e sem acompanhamento.
    • SESMT sem representação - Engenheiros, Médicos e Técnicos de Segurança visitam pouco a obra ou não visitam, chega apenas o documento de liberação. 
    • Falta de Criatividade - A segurança utiliza pouco ferramentas como comunicação, interdição, advertência, treinamentos, monitoramento, controle, revezamento, travamento, bloqueio, descrição da atividade e etc., documentos de baixo custo e com boa eficácia.

    Tuesday, September 17, 2013

    TALABARTES E CINTOS


    Travaqueda Retrátil vs Talabarte_2
    TRAVA QUEDAS RETRÁTIL uma boa opção para locais distantes do ponto de ancoragem. É preciso ter cuidado quando fazer extensões para não deixar o trabalhador exposto a um fator de queda maior que 2 ( proibido pela legislação brasileira) , pois pode causar lesões no trabalhador.
        A AR (análise de risco) e a OS (ordem de serviço) pode ser usada para diminuir o risco, ou mesmo a necessidade de uma extensão do ponto de ancoragem.
        Outra solução é o uso de corda na "vertical" com trava queda 
    IMPORTANTE:
    O fabricante e as normas certificam o conjunto, ou seja, a rigor você não pode usar um talabarte diferente do testado, o certificado é do conjunto e não das peças em separado.
    É preciso ter cuidado na compra do talabarte e cinto, pois existem alguns recondicionados, para ser considerado EPI o equipamento é obrigatório ter o C.A. (certificado de aprovação) que garante que aquele produto passou por testes rigorosos e esta em condições de ser usado. 

    PROBLEMAS COM ANDAIMES SUSPENSOS


    ANDAIMES MODULADO COM GUINCHO DE CABO PASSANTE.

     

    Alguns fabricantes/locadores/construtoras desses equipamentos cometem erros GRAVES:

    • Falta de ART de Manutenção - , na estrutura do andaime e no guincho;
    • Trava queda fixado fora da estrutura -O trava quedas fixado no guincho ( erro de projeto);
    • União entre módulos mal dimensionada - Pode causar quebra, deformação plástica do elemento (erro projeto);
    • Documentação falha ou mesmo inexistente - ( não atende as normas, sem ART de fabricação e sem numeração do andaime na estrutura);
    • Manual do equipamento incompleto; ou ausência de manual
    • Falha ou ausência de treinamento dos operadores; treinamento dado por pessoa não capacitada ( tem que ser eng. mecânico)
    • Sem ART de montagem - Ausência de profissional qualificado para aferir a instalação do andaime;
    • Falha na montagem do equipamento; - encaixes faltando, peças de outro andaime, peças empenadas, cabos de aço com defeito, corda de segurança no mesmo lugar do cabo de aço e etc.
    • Falha na ancoragem do equipamento; grampos de ancoragem com mais de 2 cabos, ângulo entre o cabo e a superfície muito baixo, grampos de ancoragem muito fino, ancoragem em local não aprovado em projeto e etc.
    • Falha na operação do equipamento; trabalhador não fixa o andaime na estrutura para trabalhar, deixa o andaime muito inclinado, não comunica a segurança de anormalidade no equipamento, coloca muito material no andaime, acesso ao andaime com risco, falta de descrição da atividade, subir no andaime e etc.
    • Falta de um CHECK LIST. ausência de check list elaborado pelo fabricante, ou pelo engenheiro mecânico da obra.
    • Equipamento instável ( por ter apenas um cabo) - É obrigatório quando parado fixar o andaime a estrutura, a corda de segurança esta ancorada em local diferente dos cabos e ter projeto de fixação do andaime com ART do engenheiro mecânico.
    A corda de segurança tem salvado muitas vidas neste equipamentos, mas ainda encontro quem entra e sai nestes andaimes sem estar fixado nelas.



    Sunday, September 15, 2013

    MEDIDAS ADMINISTRATIVAS E DE CONTROLE -

    Medidas administrativas são ações que que diminuem os riscos e não precisam de nenhum equipamento para ser implantadas.
    Medidas de controle são ações que visam diminuir os risco de acidentes nas atividade e nas áreas, através da eliminação/diminuição do risco, com substituição, monitoramento ou uso de EPI/EPC. e etc.

    Importância - A importância do uso dessas medidas:
    o seu baixo custo, a sua simplicidade,  sua eficiência, sua eficácia, a melhoria do ambiente de trabalho, a melhoria da qualidade do serviço, a melhoria de produtividade, a diminuição de perdas de materiais, a diminuição dos afastamentos e etc.
    Exemplos:
    • INTERDIÇÃO ÁREAS - interditar áreas de risco, para acesso restrito a pessoas qualificadas e equipadas, exemplo: interditar áreas com risco de desmoronamento;
    • INTERDIÇÃO DE PARTES DE UM EQUIPAMENTO - interditar funções, setores ou partes de um equipamento, exemplo: interditar cancelas de uma torre de guincho, interditar partes de uma andaime fachadeiro;
    • REMANEJAMENTO DE TRABALHADORES - são atividades insalubres em que trabalhadores estão submetidos a riscos, para reduzir essa exposição de caráter acumulativo faz-se rodizio, permitindo que o organismo do trabalhador se recupere. exemplo: atividade de carregar pesos.
    • ISOLAMENTO DE ÁREA - semelhante a interdição, a diferença é que você coloca a área de risco em um local longe da circulação de pessoas, limitando o risco apenas as pessoas que trabalham no equipamento ou na área de trabalho. exemplo: tirar a bancada de corte de cerâmica da circulação e colocar em uma varanda ou em um quarto.
    • SINALIZAÇÃO E COMUNICAÇÃO - Esse instrumento muito importante tem um impacto muito grande no canteiro de obra, tem a função educativa, como também colocar em alerta sobre os riscos que estão submetidos os trabalhadores naquela área, atividade ou equipamento.exemplo: sinalizar locais com risco de queda de materiais para pessoas não permanecerem no local.
    • INSPEÇÃO - A inspeção é necessário estabelecer um período para checar que é função da qualificação da mão de obra, da quantidade de pessoas, do treinamento, do risco envolvido, do histórico e etc. A média de inspeções para proteções coletivas tenho indicado uma inspeção por semana.
    • MONITORAMENTO - É o acompanhamento seja por instrumentos, por inspeção visual, é importante quando o risco aumenta de forma continua, exemplo: contaminação por produtos químicos, poeiras e etc.
    • PERMISSÃO DE TRABALHO ( PT )  E ORDEM DE SERVIÇO (OS) - Mostra os riscos da atividade , como deve ser feito o serviço , os cuidados obrigatórios e detalhes da atividade.
    • LIBERAÇÃO DE ÁREA - É importante para evitar que uma falha na proteção ocorra, o  trabalhador pode cometer uma falha e não perceber.
    • LIBERAÇÃO DE EQUIPAMENTO - Muitas vezes o equipamento quebra, o mecânico visita a máquina e não deixa documento dizendo que consertou, pode acontecer um mal entendido e o operador achar que já consertou enquanto ele esta aguardando uma peça para terminar o serviço.
    • CHECK LIST DA OPERAÇÃO E DO EQUIPAMENTO - Objetivo de iniciar a operação na máquina com o mínimo de condições.
    • ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO ( A.R.) - Um das ferramentas mais PODEROSOS do departamento de segurança, é fundamental principalmente em áreas novas, em atividades novas.
    • HISTÓRICO DA ATIVIDADE - Destaca ao trabalhador os principais riscos da atividade.
    • GINÁSTICA LABORAL - Ferramenta importante na ergonomia, em trabalhos repetitivos e trabalhos longos.
    • DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE - Descreve a atividade de uma maneira generalizada, serve como base para a elaboração da OS e da PT..
    • DESCRIÇÃO DOS RISCOS DA ATIVIDADE - Riscos da atividade de uma forma geral serve de base para elaboração da OS e PT.
    • DESENHO DA ATIVIDADE OU DA ESTRUTURA - Permite o trabalhador vê com mais clareza os detalhes da atividade, dos riscos, das necessidades.
    • TREINAMENTOS RÁPIDOS, AVISOS E ALERTAS NO INÍCIO DAS ATIVIDADES - O início de toda atividade é o momento crítico na maioria das vezes, por isso é a hora que tem que ser acompanhada, tem que ter alertas, treinamentos rápidos.
    • PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES. - Evita que o trabalhador tome medida por sua conta e risco, na verdade toda atividade as ações devem estar previstas, se o trabalhador tiver que escolher uma opção é porque tem uma ERRO no treinamento, na ordem de serviço que não previu aquela situação. 
    • ETC,  ETC
    O gerenciamento de riscos, o departamento de segurança, os profissionais de segurança na minha avaliação precisam utilizar mais esses instrumentos para melhorar o ambiente de trabalho de sua empresa. 

    Tuesday, April 16, 2013

    Improviso e falta de Inspeção.

    Receita para o aumento do número de acidentes na construção civil, começar atividades sem avaliação do departamento de segurança.

    Para evitar acidentes :
    Deveria ser obrigatório PT para as seguintes atividades na construção civil:
    Entenda que PT (permissão de trabalho), exige que a atividade só pode começar depois de ser aprovada pelo departamento de segurança.


    1- trabalho em altura (andaimes, periferias, Torres e etc. );
    2- espaços confinados ( caixa d'água etc);
    3- escoramentos.
    4- maquinas ( guinchos, serra circular , betoneiras, serras manuais e etc);
    5- proteções coletivas ( bandejas, proteções de periferia, linha de vida, fechamento de laje) EPC;


    Friday, November 30, 2012

    A.R. - Análise de Risco em Andaimes Suspensos


    click para aumentar
    Este modelo não é aplicável a todos os andaimes, ela tem que ser adaptado a cada caso.

    Saturday, November 3, 2012

    PROTEÇÕES DE PERIFERIA e COLETIVA

    principais erros encontrados



    clique na figura para aumentar
    LINHA DE VIDA(Cabo de Aço);
    PROJETOS - ausência de projeto, projeto mal elaborado.
    DIMENSIONAMENTO - perfis utilizados abaixo da especificação, não atende ao esforço gerado.
    FUNDO DE VIGA - altura do cabo de aço não atende, não protege a queda.
    COMUNICAÇÃO - proibido acesso pessoas sem fixação na linha de vida; área restrita a pessoas fixadas na linha de vida.
    CARGA - quantidade de trabalhadores fixado ao cabo acima do permitido.
    MONTAGEM - erro na montagem; montagem diferente do projeto; fixação do tubo errada.
    CINTO DE SEGURANÇA - talabarte sem C.A.; montagem cinto talabarte errada; cinto/talabarte avariado; talabarte sem amortecimento com cabos abaixo da cintura.
    LINHA - uso de corda (não tem resistência e muito flexível) o correto é usar cabo de aço.
    RISCO - trabalhador fica confiante se expõe mais, caso estiver mal instalada aumenta o risco.





    clique na figura para aumentar
    PLATAFORMA DE PROTEÇÃO (Bandeja)
    PROJETO - ausência de projeto.
    DIMENSIONAMENTO - perfil abaixo da especificação ( perfil fino).
    ESTADO DE CONSERVAÇÃO - suportes deformados; oxidados; remendados com solda.
    MONTAGEM - apoio do suporte de forma errada (provocando deformação, suporte maior que apoio); madeiras fora de norma ( pintada/rachada/ com nós/ com irregularidades); montagem sem EPI e sem EPC;
    DESMONTAGEM - sem EPI / EPC; não limpa as bandejas antes de desmontar.
    COMUNICAÇÃO - local sujeito a queda de objeto proibido permanência; área interditada para regularização não se aproxime.
    MANUTENÇÃO - falta de manutenção ( chapas/madeira fora de lugar/ quebrada/ rasgada ); oxidação da estrutura; deformação na estrutura.



    clique na figura para aumentar
    PROTEÇÃO DE ENTORNO ( Periférica) fixada em madeira/ concreto.
    PROJETO - ausência de projeto ( com ART ).
    DIMENSIONAMENTO - fixação na forma muito pequena; perfil metálico usado muito fino; fixação no concreto mal feita; madeira não normatizada (rachada/pintada etc.)
    MONTAGEM/DESMONTAGEM - sem EPI/EPC; erros na montagem; suporte sem apoio.
    ESTADO DE CONSERVAÇÃO - deformados; oxidados; quebrados.
    COMUNICAÇÃO - ausência de placas: não retire a proteção; área com risco de queda e morte, área interditada para regularização não se aproxime.
    RISCO - trabalhador mais confiante se expõe mais, mal instalada aumenta o risco.



    clique na figura para aumentar
    QUEDA DE OBJETOS
    AMARRAÇÃO - falta de amarração nas estroncas de periferia; falta de amarração na movimentações de formas; falta de amarração de objetos próximos a periferia.
    REDE - rede de proteção colocada em local errado; sem rede entre a laje a ser concretada e a bandeja secundária.
    BANDEJA - mal projetada, com chapa fina ou espaço entre apoios grande.
    COMUNICAÇÃO - falta de placa: área sujeito a queda de objetos, proibido permanência; área interditada para regularização.

    ANDAIMES MÓVEIS

     Erros mais encontrados
    Projeto - ausência de projeto dos andaimes (sem ART - com muita frequência); ausência do projeto de fixação dos andaimes, sem manual de operação e montagem.
    Numeração - ausência de numeração da balança.
    Fixação da balança - não segue projeto, estrutura instável.
    Corda de Segurança - não normatizada; amarrada no mesmo local do cabo do andaime; em atrito com a alvenaria.
    Trava Quedas - sem C.A. ; fora de prumo; fixada ao mecanismo de içamento (guincho- certo é fixar na estrutura); fixado no mesmo grampo do andaime.
    Cinto de Segurança- talabarte não normatizado ( sem C.A.);
    Peso - Sem placa indicativa de capacidade (visível); sem cálculo estrutural.
    Módulos - elemento para prolongamento mal dimensionado (apresenta deformação plástica).
    Mecanismo de içamento - sem revisão; molas cansadas.
    Cabo de aço - emendas de cabo sem os 3 grampos.
    Soldas - soldas sem ensaios, soldas em locais de grande tensão.
    Proteção de periferia - não isolar áreas abaixo (queda de objetos) , não isolar área de fixação dos perfis.
    Comunicação - FALTA PLACAS : proibido acesso de pessoas não autorizadas; área sujeita a queda de objetos; antes de começar o trabalho fazer check list , sem numeração da balança, sem carga máxima.
    Operação - não amarrar o andaime depois de movimentar , entrar e sair sem estar amarrado ( ao encontrar a corda longe do acesso é a prova que ele entrar sem estar amarrado); andaime não nivelado; não distribuir peso na balança.

    Friday, May 6, 2011

    Wednesday, May 4, 2011

    ACIDENTES FATAIS

    Relate casos ocorridos em canteiro de obras com vitimas fatais

    ACIDENTES COM QUEDA , PESSOAS E OBJETOS

    relate casos em que houve queda de objetos ou pessoas mas que não houve ninguém ferido.

    Acidentes no canteiro de obra:

    Este relatos não deve revelar ou identificar a construtora nem o local, basta relatar o acontecido. Participe conte sua história.

    A-0- Erros em obras, EPC e Andaimes.
    A-1- Acidente fatais.
    A-2-Acidente com queda de pessoas ou objetos.
    A-3-Acidente no Guincho (elevador de carga/ pessoas)
    A-4-Acidente em andaimes
    A-5-Acidente em equipamento mecânico.
    A-6-Acidente com pessoas sem EPI.
    A-7-Acidente envolvendo estruturas
    A-8-Acidente com invalidez.
    A-9-Acidente por doença adquirida no trabalho
    A-10- RISCOS FATAIS

    DISTRIBUIÇÃO DE ACIDENTES

    DISTRIBUIÇÃO DOS ACIDENTES POR CAUSA

    Essa distribuição por tipo de causa, nos orienta os maiores perigos na C.Civil (Ribeirão Preto).

    • Quedas = 37,3%; C/ferramentas,máquinas=16 % ; Acidentes trajeto=12 %
    • Impacto por objeto= 11 %; Corpo estranho= 8 % ;Outros = 15,7%
    conforme o endereço eletrônico abaixo:
    http://www.scielo.br/img/revistas/rem/v58n1/a07tab01.gif